Arquivo da tag: Miniconto

(mundo)

Naquela tarde, meu pai me levou até o topo da colina. Jamais estivera lá, não me deixavam. Enquanto subia tentando com todas as minhas forças ficar perto do meu pai, via a minha cidade, cercada pela vastidão, engolida pelo pôr-do-sol. Aquele sempre fora todo meu mundo.

No topo da colina, meu pai sentou-se olhando para a cidade, disse-me para sentar-me a sua direita. Obedeci. Só houve silêncio entre nós, por muito, muito tempo só houve silêncio entre nós.

“Você é um homem”, ele me disse. “Eu não posso te perdoar pelo que você fez. Você tem que agir direito. Agir como um homem”.

Eu não entendia aquelas palavras, nem aquele mundo dentro do qual meu mundo era só um pedaço, uma fração de uma parte de algo.

Era tudo grande demais para mim.

Foi tudo por ela

Foi tudo por ela. Naquele dia também, ela havia ido se banhar no rio. O fazia todos os dias, assim que acordava. Saía de sua casa, caminhava sozinha até o rio, entrava na água e se banhava por longos, esticados minutos. Quando terminava, saía do rio, ainda nua e secava ao Sol. Só então ela vestia as roupas e voltava para sua casa, pronta a cumprir seu dever. A menos que chovesse ou que algo acontecesse, nem mesmo a rota mudava.

Continuar lendo Foi tudo por ela

Noite Feliz

Ele estava sozinho no bar. Último cliente daquela noite. O ar cheio de jazz abafava a cantoria do lado de fora. O brilho das luzes piscantes entrava um pouco, quase nada. Era fácil de esquecer depois de um, dois conhaques. A vitrola velha tocava a mesma música fazia… uma, duas horas? Já nem lembrava mais. Quando entrara ali mesmo? Tinha mais gente antes. Casaizinhos, homens nas últimas farras antes de terem de voltar para casa. Todos haviam ido embora. Só sobrava ele ali, e o conhaque.

Continuar lendo Noite Feliz

O Anjo

A tarde amena, inflada pelos gases e barulhos da metrópole cinzenta guardava em si algo de prosaico em seu calor ignóbil e seu céu de um anil febril. Pessoas se empurravam em meio à multidão, ignorantes ao que viria, movendo-se numa caótica ordem em direção a lugares onde não desejariam estar, mesmo que aquela tarde tão passável, tão descaracterizada, não fosse a última tarde de todos eles.

Continuar lendo O Anjo