Arquivo da tag: Ordália

Até algum dia

E agora, ao grande momento, quando tudo dá errado e o herói é forçado a agir.

Foi bem depois do último trem sair, quando os trilhos já estavam abandonados e eu começava a ficar com fome depois de tanto esperar alguma coisa acontecer, bem após os primeiros pensamentos de “esse foi um plano ruim” aparecerem na minha cabeça.

Talvez se eu tivesse um Emile-sinal… Continuar lendo Até algum dia

Anúncios

Isso é um adeus

Toda história, desde que ela não se proponha a ser um antirromance, deve em algum momento chegar a seu grande momento de desenlace, o clímax, onde as forças opostas de enfrentam, seja através de um embate ideológico, mental, físico ou todas as alternativas anteriores.

Para mim, naquele momento, o que isso significava era que eu não teria mais como evitar ter que lidar com o Corvo e o Pitbull. Não que isso fosse algo que eu pretendesse fazer.

É chegada a hora. Continuar lendo Isso é um adeus

Eu sou um monstro também

Depois que a gente saiu do shopping, eu e Lavínia ficamos umas duas horas caçando um bom lugar para o “encontro” no Google Maps. Não era fácil achar um que coubesse em todos os vários critérios que Lavínia colocava. Mas não podia discordar dela, não depois de todas as explicações que ela deu. A mais de meia hora que ela passou repassando todos os pontos da estratégia de combate envolvida num ataque surpresa e a utilização do terreno nisso e blá blá blá foi a mais de meia hora mais longa de minha vida. Nem sei dizer em que ponto eu parei de prestar atenção e só ouvir ruído de fundo. Continuar lendo Eu sou um monstro também

Não ache que vai escapar

Não que eu gostasse de pedir ajuda para a Lavínia, mas, como algumas pessoas dizem, na então conjuntura dos fatos, era o melhor que eu tinha. Não que ela fosse ruim ou incompetente ou qualquer coisa do tipo. É só que…

É meio humilhante.

Ela até reagiu bem quando recebeu minha ligação. Deve ter ficado surpresa, claro, mas não foi muito além disso. Ficamos de nos encontrar num shopping caro e movimentado no coração da cidade. O lugar era realmente bonito, com fachada de vidro, um grande relógio de ponteiros pretos, parecido com os que se desenhava nas estações de trem antigas. Tudo bem iluminado, limpo, com madeira, decorações e pessoas bonitas e bem vestidas.

Isso me faz sentir um pouco mal. Continuar lendo Não ache que vai escapar

Você é valiosa

Então, aparentemente, um corvo quer me matar. Não sei o que me assusta mais nessa história toda, o fato de que alguém quer me matar, ou eu não estar tão assustada com isso quanto deveria.

Você não devia se acostumar com essas coisas, Emile.

Eu sei, Emile.

Depois que ela foi embora, voltei para o apartamento que eu dividia com mais duas garotas. As duas estavam dormindo. Desabei no sofá. A lua crescente continuava brilhando do outro lado da janela, flutuando tranquila sem a menor empatia com a minha situação. Continuar lendo Você é valiosa

Seu crime já foi cometido

Então, após descer do metrô, eu fui direto para a faculdade. Originalmente, minhas aulas eram de manhã, mas, infelizmente, eu sou incapaz de demonstrar a habilidade sobrenatural de estar em dois lugares ao mesmo tempo.

Talvez se eu fosse azul…

Por isso, tendo que trabalhar, eu fui forçada a mover as aulas para a noite. Normalmente, isso me deixaria preocupada – a Universidade não é o lugar mais seguro do mundo, entendem? Por sorte, embora eu não possa me multiplicar, ficar invisível ou voar, eu tenho minha própria cota de habilidades estranhas.

Que envolvem gorilas, cobras e dinossauros.

Eu sou algum tipo de Summoner? Continuar lendo Seu crime já foi cometido

Você está bem diferente de antes

Se isso fosse um filme ou quem sabe até um jogo, haveria alguma grande e importante cena inicial, com um movimento preciso de câmera capaz de resumir todas as ideias que seriam exploradas a seguir.

Que nem n’O Labirinto do Fauno.

Ou algo parecido.

Isso não era um filme, muito menos um jogo, claro. Mas se fosse necessário criar um movimento assim, ele provavelmente começaria pelas minhas mãos correndo pelo quadro negro, deslizando o giz enquanto terminava de desenhar a árvore sintática de uma frase ordenada. Ela então seguiria minhas costas, mostrando o cabelo branco muito bem preso num coque arrumado e responsável. Logo depois, mostraria eu me virando, sorridente e esperta, dizendo algo do tipo:

— E isso são orações subordinadas!

Continuar lendo Você está bem diferente de antes